Produtos Químicos: Diretor da Intertox ministra palestra na Federação das Indústrias do Estado do Ceará - FIEC

Produtos Químicos: Federação das Industrias do Estado do Ceara

Classificação GHS, rotulagem e FISPQ de produtos químicos foram os temas da apresentação realizada nesta quarta-feira, dia 11/11, em Fortaleza pelo especialista em segurança química, Fabriciano Pinheiro

Fabriciano Pinheiro, diretor técnico da Intertox - empresa referência nacional no segmento de segurança química, gestão ambiental e tecnologia da informação - ministrou a palestra de tema ‘Produtos Químicos: Classificação GHS, Rotulagem e FISPQ (MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725)’ na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC). O evento, realizado pelo SindQUÍMICA/Ceará com apoio da Intertox, aconteceu no dia 11 de novembro, das 8h às 11h, no Salão Aberto da cobertura da FIEC, em Fortaleza (CE).

Produtos quimicos SindQUÍMICA Ceara

A apresentação visou aprofundar o conhecimento de profissionais envolvidos em gestão segura de produtos químicos para o melhor entendimento e aplicação da MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725, que estabelecem o GHS (Sistema Globalmente Harmonizado para a Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos) como sistema de classificação de perigo de produtos químicos e definem um modelo para a elaboração e preenchimento da Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), como também as informações de segurança a serem incluídas na rotulagem de um produto químico perigoso. O especialista também tirou dúvidas dos participantes sobre a utilização do sistema GHS incorporado na parte 2 da ABNT-NBR 14725, além das exigências para a elaboração de uma FISPQ e de um rótulo de produto químico.

Segundo Fabriciano Pinheiro, o correto gerenciamento dos produtos químicos gera benefício para toda a sociedade, garantindo menos acidentes, doenças e impactos ao meio ambiente. “O objetivo do GHS é que todos – seja consumidor ou trabalhador – tenham informação e conduzam o contato com químicos tomando os devidos cuidados, seja na nossa casa, para evitar que algum produto perigoso esteja ao alcance de uma criança, ou nos locais de trabalho, onde um trabalhador terá a informação clara que se ele inalar o produto por muito tempo poderá desenvolver uma doença e, por isso, a importância de usar o EPI adequado. Portanto, esse assunto se estende para a sociedade como um todo, por exemplo, caso aconteça um acidente com um produto classificado como perigoso ao meio ambiente, as equipes de atendimento terão conhecimento de que tal produto não deve ter contato com corpos hídricos para evitar maiores impactos ambientais”, enfatiza.

Fabriciano Pinheiro é biomédico e mestre em Toxicologia e Análises Toxicológicas. O diretor técnico da Intertox é coordenador do curso de pós-graduação em Ciências Toxicológicas e professor de Toxicologia nas Faculdades Oswaldo Cruz e também coordena há cinco anos a Comissão de Estudos ‘Informações sobre Segurança e Meio Ambiente relacionados a Produtos Químicos’ do Comitê Brasileiro de Química da ABNT. O professor também foi no último ano representante do Brasil no Subcomitê de Experts da ONU sobre o GHS.

Serviço:

Palestra ‘Produtos Químicos: Classificação GHS, Rotulagem e FISPQ (MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725)’  
Data: 11 de novembro, das 8h às 11h
Local: Salão Aberto da cobertura da FIEC
Av. Barão de Studart, 1980 – Aldeota - Fortaleza (CE)
 

Referências

http://www.cearaenoticia.com.br/2015/11/diretor-da-intertox-ministra-palestra.html

Fotos : crédito a Giovanni Santos/sistema FIEC