Sustentabilidade: Relatório de Atividades Potencialmente Poluidoras do Cadastro Técnico Federal do IBAMA: estratégia para a sustentabilidade empresarial

A sustentabilidade de todas as organizações está diretamente associada ao gerenciamento de seus riscos, que são as incertezas relacionadas a fatores internos e externos, que podem comprometer os ativos da organização.

 

Para alcançar os objetivos de produção e comercialização de produtos, existe uma série de operações que envolvem entre outras a compra, transporte e armazenagem da matéria prima e produtos acabados, os processos produtivos e controle das emissões de poluentes, comercialização, pós-venda. Em todas essas etapas existem riscos a serem gerenciados, tais como: a qualidade ou escassez dos insumos com implicações diretas no valor e qualidade do produto; periculosidade no transporte e armazenagem de produtos químicos; atendimento dos requisitos legais cada vez mais exigentes quanto às emissões de poluentes; crises econômicas com implicação em mudanças no mercado; credibilidade da empresa.

Segundo Stewart e Vesterinen (2011) a sustentabilidade das organizações vai além do controle de emissões e eficiência dos processos, o foco está no fortalecimento de toda a cadeia de valor da empresa.

sustentabilidade das organizaes

As organizações que realizam atividades potencialmente poluidoras devem até o dia 31 de março de cada ano, enviar ao Cadastro Técnico Federal do IBAMA um relatório anual. Esse relatório foi modificado pela Instrução Normativa Ibama nº 31, 3/12/2009 e agora solicita o balanço das emissões de poluentes conforme o Registro de Emissão e Transferência de Poluentes (RETP) do Ministério do Meio Ambiente e as transferências de resíduos com as finalidades de destinação. Esse banco de dados já está citado no Plano Nacional de Resíduos Sólidos em consulta pública.

Nesse intento, as organizações devem olhar para seus processos, identificar os poluentes emitidos e estabelecer as melhores estratégias para quantificação das emissões, atendendo assim à conformidade legal. A partir desse inventário a empresa se depara com a oportunidade de posicionar sua atuação no novo cenário proposto por Stewart e Vesterinen (2011), o gerenciamento de riscos e atuação na eficientização dos processos, bem como, a inovação do negócio, propondo mudanças que tornam seus produtos mais competitivos, numa realidade cada vez mais voltada à redução dos impactos da cadeia produtiva, no uso e pós uso dos produtos.

A InterTox oferece aos clientes estratégias eficientes e eficazes para o diagnóstico das emissões e transferências (RETP), avaliação e gerenciamento de riscos (ISO 31001), Avaliação de Ciclo de Vida (ISO 14040), estudo da cadeia de valor, no intento de transformar passivo em ativos, e consolidar o posicionamento da empresa quanto sua sustentabilidade no mercado.

Referência:

STEWART, Susannah; VESTERINEN, Anttoni. Sustainability - from green hype to business value. World Pulp & Paper, p. 21-24, 2011.

{loadmodule mod_convertforms,InterNews}