O impacto de agrotóxicos a base de nicotina em populações de abelhas

O impacto de agrotóxicos a base de nicotina em populações de abelhas

As abelhas tem papel fundamental no cultivo de alimentos por meio da polinização. Há alguns anos a população de abelhas vem apresentando queda e isso tem trazido grande preocupação a comunidade científica mundial.

Uma recente pesquisa de campo realizada em três países europeus foi publicada pela revista Science. Fundamentada na exposição de um grupo de abelhas a campos tratados e não tratados com neonicotinoides, agrotóxicos a base de nicotina, foi realizado acompanhamento desses animais durante um ano.

O estudo demonstrou, que o número de colônias de abelhas caiu 24% nos campos da Hungria, enquanto nos campos do Reino Unido a sobrevivência dos animais amostrados foi muito baixa. Apenas na Alemanha, os neonicotinoides não apresentaram efeitos nocivos aos insetos. A explicação, segundo os pesquisadores, tem  relação com a saúde e nutrição das abelhas no país. 

Conhecidos por sua ação inseticida desde 1972, a classe neonicotinoides também é referenciada por sua toxicidade em aves, peixes e até em serem humanos, sendo alguns compostos proibidos de serem utilizados na Comunidade Européia. A legislação que regula a comercialização de agrotóxicos no Brasil, exige que os produtos sejam testados em abelhas antes de serem autorizados e o estudo publicado acima confirma a importância desta avaliação no conjunto de testes de ecotoxicidade exigidos pelo IBAMA no registro destes produtos.

Referências