VX – ARMA QUÍMICA

Segundo notícia publicada no dia 23 de fevereiro de 2017, no Jornal Folha de SP, a polícia da Malásia informou que a substância utilizada para matar Kim Jong-nam, irmão do ditador norte-coreano, Kim Jong-um, foi o composto VX, classificado como arma química, da classe dos agentes neurotóxicos. As armas químicas são definidas como qualquer substância química cujas propriedades tóxicas são utilizadas com a finalidade de matar, ferir ou incapacitar algum inimigo na guerra ou associado a operações militares. Segundo a reportagem, foi detectado o agente VX nos tecidos faciais e nas pálpebras.

O VX é um composto organofosforado, que atua inibindo as enzimas colinesterásicas, em particular a acetilcolinesterase (AChE), a AChE eritrocitária (EC 3.1.1.7) e a AChE butirilcolinesterase (EC 3.1.1.8). Tais compostos fosforados são conhecidos como armas químicas de guerra e armas de terrorismo, e estão entre as mais mortais dentre as armas químicas de guerra.

Os compostos da série V, são líquidos de baixa volatilidade com ponto de ebulição elevados. Tais compostos são muito mais persistentes do que os organofosforados da série G (sarin, tabun, soman), e os da série VX também são mais tóxicos do que os da série G. Por exemplo, o composto VX é duas vezes mais tóxico por inalação do que o sarin (empregado na Síria em 2013 e responsável pela morte de mais de mil pessoas), dez vezes mais tóxico pela via oral e cerca de 170 vezes mais tóxico por exposição dérmica. 

Os compostos da série V são extremamente tóxicos quando administrados pela via dérmica, com pequenas gotas é possível ocorrer a morte. Por apresentar elevada toxicidade, o composto provoca a intoxicação independente da via de exposição, seja por inalação do gás, por ingestão do líquido, ou através do contato com a pele, seja a pele intacta ou lesada, assim como pela mucosa ocular, e também em contato da pele com superfícies contaminadas.

O agente VX foi sintetizado em meados do século XX, e sua síntese significou o pico da guerra química. Havia grandes estoques deste composto na Rússia e nos Estados Unidos. Tanto que há o agente VX russo (VXR) e o VX EUA. Entretanto, notícia publicada dia 24 de fevereiro de 2017, pelo RTP indica que a Coréia do Norte tem pode ter até 5.000 toneladas de armas químicas. 

O mecanismo de ação do VX é através da inibição da acetilcolina (ACh), pois trata-se de um composto pertencente a classe dos organofosforados, e consequentemente ocorre o acúmulo da acetilcolinesterase nas fendas sinápticas e provoca a crise colinérgica, com vários sintomas característicos da intoxicação.

Os sintomas e efeitos anticolinesterásicos dos agentes neurotóxicos são: edema pulmonar, bradicardia, miose, lacrimejamento e sudorese, fasciculações musculares, fraqueza muscular, taquicardia, diarreia. A ação no sistema nervoso central provoca: tontura, labilidade emocional, ataxia, confusão, depressão, parada cardio-respiratória e morte.

Não havia relatos do emprego deste composto em guerras ou atos considerados terroristas. Fica a preocupação de como um composto com elevada toxicidade pode ser obtido e empregado de forma simples, como aparentemente parece ter ocorrido no aeroporto na Malásia.

Fica a reflexão, que mesmo com toda a evolução da humanidade, avanço em tecnologia, na medicina, ciência, e demais áreas, a humanidade ainda present comportamento que busca utilizar compostos químicos para provocar injúrias ao seu semelhante.

A Intertox tem como visão da existência de uma sociedade desprovida de riscos químicos, toxicológicos e ambientais, e atua a 17 anos com a prevenção de acidentes e segurança química, neste sentido, tem se dedicado a estudar o assunto e alertar sobre os perigos e riscos do uso indevido de compostos químicos. Ano passado publicou o livro Armas Químicas – O mau uso da toxicologia.