Produtos perigosos: Explosão em fábrica de aerossóis em Diadema

incendio em fabrica de aerossois diadema

Incêndio atinge fábrica em Diadema - Foto: Reprodução Globocop

Um incêndio de grandes proporções em uma fábrica em Diadema, na Grande São Paulo, deixou 9 pessoas feridas nesta segunda-feira (28). A fábrica atingida foi uma empresa especializada na fabricação, envase e comercialização de produtos em aerossol, seja para venda direta ou terceirização de produção para outras empresas.

Durante o atendimento à emergência, o corpo de bombeiros, além de controlar o incêndio para que não atingisse galpões de empresas vizinhas, evacuou a área recomendando o uso de mascaras respiratórias aos presentes nos arredores devido à liberação de grandes quantidades de produtos químicos.

As primeiras informações eram de que o local era uma indústria de inseticida. Porém constatou-se que se trata de uma empresa engarrafadora de aerossóis, principalmente, de produtos cosméticos. Por ser uma empresa com grande volume de produção de aerossóis inflamáveis, está deve seguir a diversas regras de segurança estabelecidas em legislações como a NR 20 (Norma Regulamentadora n° 20, Ministério do Trabalho e Emprego), regulamentando instalações, treinamentos de colaboradores e procedimentos de segurança, principalmente em termos de armazenamento, por lidar com produtos de potencial inflamabilidade e perigo de explosão. 

Além dos perigos físicos - inflamabilidade - associados aos aerossóis, devido a diversidade de matérias-primas utilizadas no processo produtivo da empresa, muitos destes produtos químicos podem apresentar perigo à saúde humana e ao meio ambiente, o que justificaria ainda um maior cuidado a respeito da segregação e armazenamento tanto de matérias primas quanto de produtos acabados, com vistas principalmente aos potenciais riscos de incompatibilidade química entre os produtos.

O corpo de bombeiros informou que o acidente, aparentemente, se iniciou próximo à área de reciclagem da empresa durante a operação com empilhadeiras. A empresa não possuía ainda auto de vistoria para funcionamento segundo os bombeiros e também não detinha a licença ambiental prévia de instalação da Cetesb, solicitada em abril de 2016.

Referências
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/bombeiros-sao-acionados-para-explosao-em-fabrica-em-diadema.ghtml

{loadmodule mod_convertforms,Convert Forms}