Ambiente em Manchete: Possíveis impactos decorrente do transbordamento de esgoto que atinge rio em Ourinhos

De acordo com a notícia publicada em 12/02/2014 pelo portal G1, o esgoto do Jardim Anchieta em Ourinhos vem transbordando da caixa de contenção e está escorrendo pela mata até atingir o Rio Pardo, principal fonte de abastecimento da região. Os responsáveis pelo setor explicam que houve transbordamento do esgoto devido a um
assoreamento na lagoa de tratamento que está entupindo a tubulação.

Segundo a declaração do Superintendente do Serviço de Água e Esgoto da cidade para o portal G1, a água do rio não sofreu nenhuma contaminação, pois é tratada e analisada pelos técnicos dos laboratórios. Apesar dessa declaração, é necessário prudência devido aos impactos que a poluição dos rios, lagos e mares pode acarretar.
Os esgotos domésticos podem apresentar, dependendo da sua origem, uma constituição química com altos teores de sólidos e nutrientes, como elevados níveis de carbono orgânico total, compostos nitrogenados, fósforo orgânico e inorgânico.

Também podem estar presentes quantidades significantes de diversos contaminantes, entre eles metais, hidrocarbonetos, pesticidas e outras substâncias potencialmente tóxicas. Além dos efluentes domésticos, é comum que os sistemas de coleta de esgotos urbanos também recebam efluentes hospitalares, águas pluviais, resíduos de estabelecimentos comerciais, postos de gasolina, indústrias de pequeno porte, entre outros.

Os principais impactos ambientais que podem ocorrer pelo lançamento direto de esgotos nos rios, lagos e mares são: contaminação microbiológica; aumento de matéria orgânica, que pode provocar a eutrofização; aumento da turbidez; e a contaminação química, gerando efeitos tóxicos. Os elevados níveis de matéria orgânica e nutrientes induzem o aumento de biomassa de fitoplâncton, levando a uma diminuição dos teores de oxigênio dissolvido, o que pode acarretar na morte de organismos aquáticos.
Como forma de análise do impacto, utiliza-se indicadores biológicos a níveis moleculares, celulares e o animal completo. Para avaliação da ecotoxicidade são realizados ensaios com organismos-testes de diferentes níveis da cadeia alimentar, como peixes, crustáceos e algas, com a finalidade de avaliar a suscetibilidade que eles apresentam frente às possíveis alterações consequentes da contaminação da água. Esses ensaios avaliam os efeitos que ocorrem na letalidade, reprodução ou crescimento dos organismos.

Os estudos de monitoramento ambiental devem levar em consideração aspectos como a composição química, a toxicidade, efeitos da eutrofização, possibilidade de bioacumulação, entre outras informações sobre os fatores que influenciam o estado de conservação, preservação, degradação e recuperação ambiental da região estudada.
Além disso, os esgotos podem apresentar riscos à saúde pública por conter uma grande quantidade de agentes biológicos, como bactérias, vírus, fungos e parasitas. As doenças mais comuns relacionadas com água contaminada são enterites, diarréias e doenças epidêmicas. A toxicidade à saúde humana dos esgotos se deve, principalmente, a patogenicidade desses microrganismos e a presença de outros contaminantes, como pesticidas e alguns metais, como mercúrio, chumbo, cromo e níquel.

Portanto, é importante a avaliação dos possíveis efeitos que esse transbordamento poderia acarretar e estabelecer as principais medidas para proteção do ecossistema e da população e, se necessário, a melhor conduta para recuperação do rio.

REFERÊNCIAS:

http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2014/02/assoreamento-provoca-vazamento-em-lagoa-de-esgoto-de-ourinhos.html

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000100011
http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/97/14.pdf
http://www.sebrae.com.br/customizado/gestao-ambiental biblioteca/bib_manual_ saneamento.pdf

{loadmodule mod_convertforms,InterNews}