As cinquenta maiores mais o todo

Em matéria de 6 de julho, divulgada em sua página na Internet, a Revista Exame informa “As 50 maiores empresas do Brasil em Melhores e Maiores”. Todas elas são empresas, ou melhor, grandes grupos, que impressionam por seus faturamentos, nos diferentes setores da economia. Mas o que nos chamou a atenção desse

conjunto monumental é o fato de que catorze delas, pela natureza de suas operações, já foram e/ou têm sido clientes da Intertox.

A Intertox é uma empresa de consultoria concentrada no diagnóstico e gerenciamento dos riscos físicos, químicos, toxicológicos e ambientais, sob todos os seus aspectos, e quando vemos essa matéria da Exame e a associamos à recente e muito importante reportagem Indústria química promete investir em inovação e aderir à onda verde, escrita por Carolina Ramos e publicada em 10 de julho na Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, da SBPC, pensamos imediatamente que, sob o ponto de vista da segurança química e ambiental uma nova era pode estar se aproximando.

O texto de Carolina Ramos é completo, feliz e mostra não só a preocupação e as ações das autoridades, mas, sobretudo, a mobilização concreta que já existe no próprio setor empresarial, tanto no mundo quanto fortemente no Brasil.

Relativamente aos produtos químicos empregados como matérias primas, quer seja pelas normas da ABNT que incidem sobre a questão, pela legislação brasileira específica vigente, quer seja por acordos internacionais, nosso sistema nacional já avança robustamente para os aspectos do correto registro e comunicação do risco dos mesmos.

Já quanto àquilo que resta das operações dos processos industriais, as emissões de poluentes ou transferências de resíduos, que passam a ser de acesso público no programa nacional de Registro de Emissão e Transferência de Poluentes do MMA, lastreado no potente Cadastro Técnico Federal (CTF) do Ibama, passa a fazer a contabilidade da movimentação de compostos químicos lançados por atividades potencialmente poluidoras, sendo uma importante fonte de informação para a avaliação da exposição de populações a esses agentes. Como se tem acompanhado nos RETP de outros países, as empresas poluidoras passam a adotar medidas de produção limpa e instalam dispositivos eficientes de controle de poluição para minimizar sua contribuição em efeitos negativos ao ecossistema.

Enfim, como se sabe que o crescimento só o é de fato se contempla a todos, não havendo crescimento com inclusão econômica de alguns e exclusão ambiental ou ocupacional da maioria, as notícias acima mencionadas sopram como um ar renovado nos campos das relações sociais e trabalhistas.