Toxicologia Analítica: Nova técnica de análise para identificação de agentes tóxicos no sangue e no leite materno

Um novo método de análise, chamado “one-shot”, desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, permite que a identificação de retardantes de chama em amostras de sangue ou leite materno, com velocidade até cinco vezes mais rápida do que as técnicas atuais.

Com o objetivo de cumprir com as normas de segurança contra incêndios, substâncias químicas que atuam como "retardantes de chama" são acrescentadas à uma ampla gama de produtos, tais como bombas de infusão venosa, TVs, computadores, camas hospitalares, cadeiras para as salas de espera e cortinas para os consultórios. Infelizmente muitas destas substâncias químicas que agem como retardantes de chama não permanecem fixas ao produto que as contém, sendo lentamente liberadas para o ar e água. Uma vez no ambiente, tais substâncias bioacumulam ao longo da cadeia alimentar, atingindo seres humanos através do consumo de peixes contaminados, carnes ou outros produtos alimentícios.

Como essas substâncias são solúveis em gordura elas acumulam-se em tecidos gordurosos e em alimentos ricos em gordura, tais como manteiga ou queijo. Uma vez consumidos, estes compostos ligam-se a gordura do corpo, levando anos para serem eliminados. Devido ao alto teor de gordura do leite materno, recém-nascidos estão em risco potencial, visto que tais compostos podem ser transferidos durante o aleitamento para os lactentes.

Retardantes de chama bromados (brominated flame retardants) são compostos artificiais produzidos pelo homem que detêm ou retardam a propagação e a duração do fogo. Eles têm sido associados ao mau desenvolvimento do cérebro em crianças, efeitos negativos sobre a tireoide e no fígado e a sintomas semelhantes aos de déficit de atenção e hiperatividade.

"Os retardantes de chama são uma classe de contaminantes de crescente preocupação para a saúde humana, e eles estão no nosso ambiente porque foram produzidos comercialmente", diz James R. Olson, PhD, que professor do Departamento de Epidemiologia e Saúde Ambiental da universidade.

A nova técnica “one-shot” permite que os cientistas elaborem um painel mais completo de como a classe de substâncias químicas conhecidas como retardantes de chama bromados se acumulam no organismo humano.

Antes desta metodologia, os pesquisadores tinham que converter a forma hidroxilada (OH-BDE) da molécula de éter difenil polibromados (BDE) em uma forma mais facilmente detectável, a forma metoxilada (MeO-BDE), o que exigia que cada composto fosse medido separadamente, resultando em testes demorados e mais caros. A forma hidroxilada (OH-BDE) e metoxilada (MeO-BDE) são produtos de degradação das moléculas de éter difenil polibromados (BDE). O novo método soluciona o problema convertendo as moléculas de OH-BDE em um componente alternativo e similar, o que permite que todas as três classes de moléculas sejam analisadas de uma só vez, sem medições conflitantes.

Os pesquisadores relataram recentemente que uma enzima do corpo é a responsável por degradar as BDEs em nossos corpos em OH-BDEs, moléculas potencialmente mais tóxicas. Esta enzima, que também desempenha um papel na degradação de alguns medicamentos, está presente em todas as pessoas, mas seu tipo e sua concentração é variada.

Estudos sobre os OH-BDEs em larga escala não têm sido realizados pois os métodos atuais para análise não conseguem detectar sua presença facilmente em substâncias como o sangue ou leite, diz Diana S. Aga, PhD, professora de química da universidade.
Como resultado, a maioria dos estudos têm-se concentrado na presença de BDEs, ou seja, os pesquisadores sabem pouco sobre o quanto OH-BDEs e MeO-BDEs estão presentes em nosso organismo. O novo método "one-shot" abre a porta para estudar estes compostos de uma maneira mais eficiente proporcionando maior segurança na monitorização da saúde dos seres humanos.

Referências
"One-Shot" Analysis Speeds Identification of Toxins in Blood. Disponível em:

http://medicine.buffalo.edu/news_and_events/news.host.html/content/shared/smbs/news/2015/10/toxins-flame-retardants-5263.detail.html. Acesso em 21 de Outubro de 2015.

Shedding light on potential toxins that lurk in blood and breast milk. Disponível em: http://phys.org/news/2015-09-potential-toxins-lurk-blood-breast.html. Acesso em 21 de Outubro de 2015.

Retardantes de Chama. Disponível em: https://saudesemdano.org/america-latina/temas/retardantes-de-chama. Acesso em 21 de Outubro de 2015.

HSDB - HAZARDOUS SUBSTANCES DATA BANK: Bis(2-ethyhexyl) tetrabromophthalate. Disponível em: http://toxnet.nlm.nih.gov/cgi-bin/sis/search/a?dbs+hsdb:@term+@DOCNO+8216. Acesso em 21 de Outubro de 2015.