Substância provavelmente carcinogênica presente nos alimentos

De acordo com o jornal O Globo, estudo recente realizado pela Associação de Consumidores – Proteste constatou altos níveis de acrilamida em diversos alimentos costumeiramente ingeridos pela população. O teste avaliou a presença da substância em 51 alimentos, dentre eles, pão francês, batata frita, batata chips, biscoito cream cracker, torradas, salgadinhos, biscoito doce e outros. Os produtos com maior concentração de acrilamida foram listados pelo jornal, dos quais alguns estão citados na tabela abaixo (em microgramas por quilo de alimento):

 

Batata Frita (µg/Kg)  Biscoito Doce (µg/Kg) 
Mc Donald’s - 265 Passa tempo - 100
Habib’s - 496 Trakinas - 519
Girafas - 100 Bono - 707
Burguer King - 100 Adria – 1.110
Bob’s - 100 Bauducco - 538

 

Ainda não há consenso dos órgãos reguladores quanto ao limite seguro para o consumo, porém, de acordo com a Portaria do Ministério Saúde n° 2914, de 2011 na água potável, o limite máximo da presença de acrilamida é de 0,5 µg/L, o mesmo recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo a pesquisadora Fernanda Ribeiro, “é preciso ingerir produtos como biscoitos doces e salgados, pão e torrada, com extrema moderação, além de manter atenção redobrada com as marcas destes produtos”, já que a pesquisa detectou que, dentre um mesmo tipo de alimento, existem produtos com diferentes teores da substância, variando de acordo com a marca.

A acrilamida é uma molécula da família química das Amidas, também conhecida como 2-propenamida e possui fórmula molecular C3H5NO.

De acordo com a Anvisa, a acrilamida pode ser produzida naturalmente em alguns alimentos que tenham sido cozidos ou processados a altas temperaturas. Aparentemente os níveis aumentam em proporção à duração do aquecimento. Por isso, os níveis mais altos são encontrados em alimentos ricos em amido (batatas e produtos de cereais).

Segundo a International Agency for Research on Cancer (IARC), agencia vinculada à OMS, existem evidências suficientes do potencial carcinogênico da acrilamida em experimentação animal, mas não há evidencias suficientes até o momento sobre o efeito carcinogênico da acrilamida em humanos. As evidências existentes embasam a IARC para classificar a acrilamida como “Provavelmente carcinogência para humanos (Grupo 2A)”.

A pesquisadora sugere que, para fugir da acrilamida, é fundamental manter uma alimentação saudável e, além disso, observa a importância da elaboração de um código de boas práticas para que as empresas do ramo alimentício cumpram uma série de regras e reduzam a chance da substância ser encontrada em níveis tão elevados nos alimentos.

 

REFERÊNCIAS, NOTAS OU LINKS

http://oglobo.globo.com/saude/o-perigo-por-tras-do-pao-frances-da-batata-frita-11467623

http://www.anvisa.gov.br/alimentos/aulas/reuniao_visas_curitiba07/acrilamida.pdf

http://www.anvisa.gov.br/alimentos/informes/28_020707.htm

{loadmodule mod_convertforms,Convert Forms}