Pesquisas alertam para o impacto do degelo do permafrost Ártico na economia global

Os cientistas se preocupam há vários anos com o impacto no permafrost (água subterrânea permanentemente congelada) causado pelo aumento global de temperatura, pois uma grande quantidade de metano está concentrada nos solos gelados das tundras.

Em estudo publicado na Revista Nature, pesquisadores estabelecem um custo econômico referente ao dano climático que as emissões de metano, poderoso gás de efeito estufa, poderiam causar. Usando um modelo econômico, semelhante ao usado por Stern (2006 no relatório “Review of the economics of climate change”), o impacto da liberação de 50 giga toneladas de metano no período de uma década foi analisado. Estimou-se que os efeitos climáticos da liberação do gás custariam 60 trilhões de dólares, e trariam episódios de enchentes, aumento do nível dos mares, prejuízos à agricultura e à saúde humana. O estudo alerta que os impactos seriam mais sentidos pelos países em desenvolvimento, mais vulneráveis aos danos e catástrofes associados ao aumento global das temperaturas.

REFERÊNCIAS, NOTAS OU LINKS

 

Acesse na integra o relatório de Stern “Review on the Economics of Climate Change” em:

 

http://webarchive.nationalarchives.gov.uk/+/http:/www.hm-treasury.gov.uk/sternreview_index.htm

 {loadmodule mod_convertforms,InterNews}