Determinação de praguicidas organofosforados em amostras ocupacionais em estufas de flores

No dia 12 de setembro, a analista em gerenciamento de risco toxicológico da Intertox Camilla Colasso defendeu a dissertação de mestrado intitulada “Determinação de praguicidas organofosforados em amostras ocupacionais em estufas de flores” na Faculdade de Ciências Farmacêuticas/USP.

O estado de São Paulo é responsável por 70% da produção nacional de flores e plantas ornamentais. Esses cultivos ocupam 7,5 mil hectares e mais da metade desta área é cultivada em estufas. Atualmente existem aproximadamente 8 mil produtores de pequeno, médio e grande porte em todo Brasil e este setor gera em torno de 200 mil empregos diretos, abrangendo produção e comércio.

As estufas são microcosmos planejados para propiciar as condições ambientais adequadas ao crescimento de plantas. Qualquer infestação é controlada usando praguicidas que, devido ao enclausuramento e ajustes das condições climáticas, podem prolongar e intensificar a exposição ocupacional aos mesmos. Alguns estudos sugerem que os trabalhadores de estufas de flores e plantas ornamentais estão expostos a níveis mais elevados de praguicidas durante o carregamento, mistura e aplicação dos praguicidas, bem como pelo contato contínuo com as flores e plantas ornamentais, quando comparados a outros trabalhadores que entram em contato com essa classe de compostos.

No presente trabalho, objetivou-se conhecer o processo de trabalho, práticas de saúde, higiene e segurança e localizar possíveis fontes de exposição ocupacional a praguicidas nas estufas de flores da região do Alto Tietê, e também otimizar métodos analíticos para a detecção e quantificação de praguicidas organofosforados (diclorvós, metil-paration e metidation) em patches de algodão e em tubos coletores XAD-2, com o intuito de analisar a exposição ocupacional dérmica e inalatória. O processo de avaliação incluiu o acompanhamento da jornada de trabalho, entrevistas e aplicação de questionários de trabalhadores de 18 estufas. Destas 18 foram selecionadas 6 estufas para coleta de amostras.

Os organofosforados diclorvós, metidation e metilparation foram detectados e quantificados por cromatografia gasosa/espectrometria de massas (GC-MS), operado no modo de ionização por impacto de elétrons. Os dados da avaliação qualitativa demonstraram percentual elevado de desconhecimento das práticas adequadas de saúde, higiene e segurança para a utilização destes compostos, sugerindo que há risco de exposição durante a manipulação, armazenamento e descarte dos mesmos. Os limites de quantificação (LQ) obtidos foram abaixo de 0,4 ppb e limites de detecção (LD) foram abaixo de 0,1 ppb para todos os compostos. O método mostrou boa linearidade na concentração estudada (LSQ-500 ppb), com coeficiente (r) maior que 0,99. A precisão foi avaliada pelo desvio padrão relativo e apresentou valores inferiores a 15% para todos os compostos estudados. Após os métodos serem validados, foi realizada a amostragem dérmica e do ar e encontraram-se concentrações variadas de praguicidas.