Assuntos Regulatórios: Optogenética e Nanotecnologia no desenvolvimento de pele artificial capaz de transmitir impulsos ao cérebro

Recentemente, o portal BBC Brasil noticiou a criação de uma pele artificial sensível e capaz de transmitir sinais para o cérebro através de impulso elétrico, para ser utilizada no revestimento de próteses.

Pesquisadores da Universidade de Stanford, na Califórnia, desenvolveram uma película com sensores flexíveis capazes de detectar o toque e reproduzir um padrão de impulsos elétricos reconhecidos pelo sistema nervoso central para que seja utilizada no revestimento de próteses.

A sensibilidade cutânea é observada no contato entre a pele e objetos. Quando a pressão é exercida, há o envio de impulso elétrico para o cérebro. Para reproduzir esse mecanismo, a pele artificial conta com uma camada de polímero elástico flexível, atada com nanotubos de carbono, formando pequenas pirâmides que imprimem a intensidade do estímulo nos sensores elétricos. Essa tecnologia da transmissão de sinais sensoriais para o cérebro é denominada optogenética.

O que é optogenética?

A optogenética é uma técnica que promove a interação entre luz, genética e bioengenharia, permitindo a ativação de neurônios específicos do cérebro. Diversos experimentos são realizados com essa técnica, desde a identificação de doenças mentais até a manipulação de lembranças pela ativação de conjuntos específicos de neurônios.

Esta técnica vem sendo tema de diversos estudos e artigos publicados. Um desses trabalhos, é o artigo de Krueger et. al. que enfatiza a optogenética como um campo inovador em constante expansão principalmente na área biomédica no desenvolvimento de artigos médicos (como a "pele artificial") e para o auxilio na identificação específica de causas de neuropatias. São imensuráveis as expectativas futuras das potenciais aplicações da optogenético para uso humano. 

A combinação de optogenética com nanotecnologia pode resultar em diversos avanços tecnológicos. No caso da pele artificial, essa combinação é notória através da técnica de transmissão de sinais sensoriais para o cérebro (optogenética) por sensores formados por nanotubos de carbono (nanotecnologia).

Os estudos estão em andamento e, assim que os resultados dos testes de eficácia e segurança forem sólidos, será possível prever outras aplicações do estímulo neuronal optogenético em próteses. Acredita-se que, no futuro, este mesmo sistema seja utilizado para transmissão direta de impulsos elétricos às células.

Referências
BBC Brasil

{loadmodule mod_convertforms,Convert Forms}